<html><head> <meta http-equiv="Content-Type" content="text/html; charset=iso-8859-1" /><title>UNICEPE</title><STYLE>A:hover {}.spanstyle { COLOR: lightgrey; FONT-FAMILY: Tahoma; Arial, Monaco, Monospace, Courier, Mono; FONT-SIZE: 10pt; POSITION: relative; TOP: -10px; VISIBILITY: visible; font-weight: bold;}</STYLE><SCRIPT> var x,yvar step=10var flag=0var message="Unicepe "message=message.split("")var xpos=new Array()for (i=0;i<=message.length-1;i++) { xpos[i]=-50}var ypos=new Array()for (i=0;i<=message.length-1;i++) { ypos[i]=-50}function handlerMM(e){x = (document.layers) ? e.pageX : document.body.scrollLeft+event.clientX y = (document.layers) ? e.pageY : document.body.scrollTop+event.clientY flag=1}function makesnake() { if (flag==1 && document.all) { for (i=message.length-1; i>=1; i--) { xpos[i]=xpos[i-1]+step ypos[i]=ypos[i-1] } xpos[0]=x+step ypos[0]=y for (i=0; i<message.length-1; i++) { var thisspan = eval("span"+(i)+".style") thisspan.posLeft=xpos[i] thisspan.posTop=ypos[i] } } else if (flag==1 && document.layers) { for (i=message.length-1; i>=1; i--) { xpos[i]=xpos[i-1]+step ypos[i]=ypos[i-1] } xpos[0]=x+step ypos[0]=y for (i=0; i<message.length-1; i++) { var thisspan = eval("document.span"+i) thisspan.left=xpos[i] thisspan.top=ypos[i] } } var timer=setTimeout("makesnake()",10)}</SCRIPT><SCRIPT> for (i=0;i<=message.length-1;i++) { document.write("<span id='span"+i+"' class='spanstyle'>")document.write(message[i]) document.write("</span>")}if (document.layers){ document.captureEvents(Event.MOUSEMOVE);}document.onmousemove = handlerMM;</SCRIPT><script language=javascript>function janelaSecundaria (URL){ window.open(URL,"janela1","scrollbars=yes,resizable=yes,width=900,height=500,top=100,left=200,")}</script> <link rel=stylesheet href="./../../definicoes/stsheet.css"><!--link rel="stylesheet" href="./definicoes/global.css" type="text/css" /--></head> <body onload=makesnake() > <font color="darkblue" size=4> <b>2017-04-27, quinta-feira, 18h30:</b><br><br>apresentao do livro "Guimares: Daqui houve resistncia", por Antnio Amaro das Neves, Manuela Juncal e Tino Flores, com a presena de Csar Machado, organizador da obra <br><br> <img src="./tino.jpg"><font color="black" size=2> <br><p align="justify"> LivroGuimares Daqui houve resistncia, coordenado por Csar Machado, desenhado por Alexandra Xavier e ilustrado por Nuno Vieira. A edio do Cineclube de Guimares, com apoio da Cmara Municipal de Guimares. (& ) Como objecto, este livro do melhor que tem sido feito por a. Quanto ao contedo, composto por um conjunto de 25 longos depoimentos recolhidos e tratados pelo organizador, surpreendente.<br><br> (& ) A memria histrica produzida a partir de fontes de diferentes naturezas, que filtra, acumula, transmite e analtica, crtica, precisa e racional. constante, embora em permanente processo de acrescentamento e de reinterpretao. A memria colectiva, mesmo quando dirigida para acontecimentos remotos, efmera e inconstante. Apaga, refaz e reescreve segundo o seu prprio arbtrio, em funo do momento presente, da imaginao e do regresso doe reminiscncias recalcadas. mutvel, em funo do tempo e das circunstncias. Ao contrrio da memria histrica, no rigorosa, caprichosa. Ora desvenda, ora oculta. Vive em permanente processo de reciclagem.<br><br> As memrias no so retratos exactos da realidade vivida. So reconstrues singulares e pessoais formatadas pelos contextos, pelas mundividncias, pelos preconceitos, pelas paixes de quem as rememora. Os mesmos factos passados, contados de memria por diferentes pessoas que os viveram ou testemunharam, no so necessariamente relatados da mesma maneira. Contadas pelos seus protagonistas, as memrias de qualquer confrontao, independentemente da sua natureza (uma escaramua, uma batalha, uma guerra, um golpe de Estado ou uma revoluo), so diferentes consoante o lado da barricada em que estiveram aqueles que as contam.<br><br> Em suma: um livro de memrias no um livro de histria, porque a histria no se escreve exclusivamente a partir de um agregado de memrias individuais. Socorre-se de muitas outras fontes, de diferentes naturezas.<br><br> Guimares Daqui houve resistncia um livro de memrias, onde esto inscritas as memrias dos dias de hoje de um tempo que j distante. Ser tambm, um valioso documento histrico, fundamental para a compreenso da resistncia ao fascismo e da construo da democracia em Portugal, que nos diz tanto sobre as experincias vividas pelos narradores como sobre o modo como vem hoje aquilo que viveram h quatro, cinco ou mais dcadas.<br><br> O que fica dito serve de preveno para quem, a pginas tantas deste livro, como o autor destas linhas, acabar por dizer, em relao a este ou quele facto: isto no foi assim. O que est neste livro so as memrias pessoais e intransmissveis de quem as relata. Estas so as suas histrias. Fossem outros os narradores, outras seriam as histrias.<br><br> Guimares Daqui houve resistnciapassar,seguramente,a ser uma obra de referncia para o estudo da histria da resistncia ditadura e da construo da democracia em Portugal. Rene vinte e cinco testemunhos de pessoas que, cada um a seu modo, lutaram pela liberdade e pela democracia, e que, cada uma sua maneira, esto ligadas a Guimares. No entanto, estes testemunhos no se encerram dentro dos velhos muros desta velha cidade. Aqui temos Guimares, a regio, o pas, a Europa.<br><br> O seu contedo est resumido na nuvem de palavras que vai a abaixo que rene as 150 palavras com entoao poltica com mais ocorrncias ao longo do texto, inscritas em dimenses proporcionais ao nmero de vezes que foram escritas:<br><br> Esmiuar este grfico pode ser um exerccio muito interessante. Pelo que l est, mas tambm pelo que l falta. Esto l expresses bvias, como Guimares, 25 e Abril. Alm de Guimares, Coimbra, Porto, Braga, Lisboa, Fafe, Famalico e Paris. Entre as personalidades, Santos Simes aparece claramente destacado (118 ocorrncias), seguido por Zeca Afonso (107), Humberto Delgado (44), lvaro Cunhal (41), Eduardo Ribeiro (38), Adriano Correia de Oliveira (32). Mrio Soares (29 referncias), j no aparece nanuvem.Das organizaes polticas, o PCP o que tem mais referncias (227), seguido distncia pelo MRPP, (138), pela LUAR (69) e pela OCMLP (31). No entanto, o fascismo no est l, o que revelador do modo como o tempo tem um efeito amaciador sobre as palavras.<br><br> ~*~ Os 25 testemunhos deGuimares Daqui houve resistnciaatravessam o sculo XX desde a dcada de 1930. So histrias contadas na primeira pessoa onde se fala da resistncia, das perseguies, da priso, da tortura e do quotidiano dos dias de chumbo da ditadura fascista, da guerra e da emigrao forada. Mas tambm da alegria daquele amanhecer claro em Abril e da construo da democracia. So histrias de vida de um tempo em que Portugal era um paradoxo acantonado no extremo ocidental da Europa.<br><br> Ao publicar este livro, o Cineclube de Guimares d (mais) um importante contributo o resgate da nossa memria colectiva e um exemplo da capacidade de iniciativa, da produtividade e da criatividade dos obreiros das associaes vimaranenses. Esta edio uma obra feita com grande profissionalismo e competncia por amadores, aqueles que fazem por amor e que so gratificados com a singela alegria da obra feita. Antnio Amaro das Neves, Julho de 2014 (Do Prefcio a  Guimares, Daqui Houve Resistncia ) <br><br> <table> <tr> <td> <img src="f_01.jpg"> </td> </tr> <tr> <td> <img src="f_02.jpg"> </td> </tr> <tr> <td> <img src="f_03.jpg"> </td> </tr> <tr> <td> <img src="f_04.jpg"> </td> </tr> <tr> <td> <img src="f_05.jpg"> </td> </tr> </table> <br><br> <p align="right"> <br> <font color="darkgreen" size=1><b> <p align=right>LIVROS DISCOS LIVROS DISCOS LIVROS DISCOS LIVROS DISCOS LIVROS DISCOS LIVROS DISCOS<br> </body> </html>